Cultura Popular Documentário sobre herdeiros de Mestre Salustiano será exibido na Casa da Rabeca Pré-lançamento do longa de Tiago Leitão será durante o 24º Encontro de Cavalos Marinhos, evento com programação gratuita

Por: Marina Simões - Diario de Pernambuco

Publicado em: 25/12/2018 09:30 Atualizado em:

Foto: Dialogo Comunicacao/Divulgacao
Foto: Dialogo Comunicacao/Divulgacao

Dentro das comemorações do Ciclo Natalino, a Casa da Rabeca e a Família Salustiano promovem, nesta terça-feira (25), às 19h, o 24º Encontro de Cavalos Marinhos, evento gratuito no espaço cultural localizado em Olinda. Um dos destaques da festa será o pré-lançamento do documentário Salustianos, de Tiago Leitão.

O longa-metragem, que começou a ser produzido em 2012, apresenta os herdeiros do Mestre Salustiano - são 15 filhos de nove esposas diferentes - e a luta para preservar o legado do artista popular. "Estamos ansiosos para ver o resultado. Vai ser uma surpresa pra gente também. O filme apresenta a nossa arte, o todo o trabalho desenvolvido pelos filhos de Salu e a Casa da Rabeca", explica Pedro Salu.

Em um telão montado no espaço a película recém-finalizada vai apresentar depoimento dos onze filhos do mestre que batalham para manter a tradição deixada pelo pai, além de imagens de arquivo sobre grupos da Zona da Mata Norte. Segundo o diretor Tiago Leitão, inicialmente a ideia era produzir um documentário sobre herdeiros culturais de Salu, como os músicos Chico Science, Antônio de Carlos Nóbrega, Siba, entre outros.

"Me aprofundei na pesquisa e a partir do contato com os filhos vi que o caminho seria outro. Deixou de ser sobre os herdeiros culturais e passou a ser sobre a cultura popular e a forma como ela vem sendo perpetuada pela família Salustiano", conta. "A gente começou em 2012 e foi acompanhando as agendas culturais, as apresentações individuais de cada filho. Não é uma biografia dele e não tem intenção de colocar Salu no pedestal. É um filme que trata da continuidade da cultura e mostra a origem disso tudo", acrescenta. O filme também mostra como as tradições são passadas pelas gerações de filhos, netos e bisnetos que vivem a cultura popular no dia a dia.

Foto: Dialogo Comunicacao/Divulgacao
Foto: Dialogo Comunicacao/Divulgacao

Após a exibição, haverá apresentações culturais dos grupos olindenses Boi Matuto de Olinda, fundado em 1960, e o Boi da Luz, formado por jovens da Cidade Tabajara e ainda os Cavalos Marinho Boi Pintado de Aliança, Estrela de Ouro de Condado e Boi Brasileiro. "Queremos manter a tradição que existe há 24 edições. É uma festa esperada pelo povo pernambucano que conta a chegada no Menino Jesus de forma lúdica e com muita música", explica Pedro Salustiano. Os grupos de cavalo marinho começam a ensaiar em julho, se preparando para as apresentações do Ciclo Natalino, que vão até o dia 6 de janeiro. "São os mesmos brincantes do maracatu rural e de baque virado. Depois disso, ele já emendam com outra manifestação que é o carnaval", conta.

O Encontro de Cavalo Marinho foi criado pelo mestre Salu, em 1995. Somente em 2014 o folguedo popular recebeu o título de Patrimônio Cultural Imaterial do Brasil, ao lado dos maracatus de baque solto e baque virado. As comemorações se encerram no próximo dia 6 de janeiro, com a Festa de Reis da Casa da Rabeca.

Serviço
24º Festival de Cavalo Marinho
Quando: Terça-feira, 25 de dezembro de 2017, às 19h
Onde: Casa da Rabeca (Rua Curupira, 340, Cidade Tabajara – Olinda/PE)
Entrada gratuita
Informações: 3371-8197

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.


Últimas