arte 70 anos de Direitos Humanos: artistas ressignificam artigos em ilustrações Exposição acontecerá no Apolo 235, na Rua do Apolo, Centro do Recife, na próxima quinta-feira (6)

Por: Mariana Moraes

Publicado em: 05/12/2018 11:06 Atualizado em: 05/12/2018 15:02

Foto: Mutirão/Divulgação (Foto: Mutirão/Divulgação)
Foto: Mutirão/Divulgação
Neste mês de dezembro, quando a Declaração Universal de Direitos Humanos (DUDH) completa 70 anos, artistas se uniram para dá-la uma cara nova. A fim de ressignificar seus artigos e aproximá-los do público, o coletivo independente Mutirão, com apoio da Revista Continente, produziu 30 peças gráficas para ilustrar os termos %u2013 de mesmo número %u2013 que compõe a carta assinada em 1948.  

"Criamos um mecanismo para que as ideias possam ser propagadas. As imagens servirão de apoio, irão encurtar o caminho para a informação, mas as mensagens são a mesmas. Queremos que as pessoas leiam, vejam e entendam" afirmou o designer e idealizador do projeto, Celso Filho. "É um documento que precisa ser vivido e relembrado", completou. 

Os trinta artistas participantes do projeto estudaram e deram sua personalidade aos termos apresentados na DUDH para montar a exposição que será realizada no Apolo 235, na Rua do Apolo, Centro do Recife, na próxima quinta-feira (6). "A divisão foi feita de forma natural", explicou o ilustrador Raul Souza, que assina a direção artística do evento. "Tentamos alimentar a própria rede. Escolhemos quem sempre participou do Mutirão e tentamos deixar equalitário, dividindo em 15 homens e 15 mulheres".
De acordo com Raul, a distribuição dos temas foi feita por sorteio. A artista recifense Joana Liberal, por exemplo, ficou responsável por retratar o Artigo 15 que, em seus incisos, apresenta: 1. Todo homem tem direito a uma nacionalidade. 2. Ninguém será arbitrariamente privado de sua nacionalidade, nem do direito de mudar de nacionalidade. %u201CFiquei batendo a cabeça quando recebi o artigo, mas desde o começo queria trabalhar com a ideia de apátrida e falar sobre os índios. Eles foram a primeira população brasileira, mas ao mesmo tempo são rechaçados. Não tem respeito, não tem segurança", comentou Joana, formada em Licenciatura em Artes Plásticas pela UFPE.
Visualizar esta foto no Instagram.

Art. 15: Todo o indivíduo tem direito a ter uma nacionalidade. Ninguém pode ser arbitrariamente privado da sua nacionalidade nem do direito de mudar de nacionalidade. Esse mês a declaração universal dos direitos humanos completa 70 anos e o @mutiraorecife convidou uma galera foda para criar uma versão ilustrada de cada artigo. 30 artistas, 30 cartazes, 30 artigos! tá fuderoso demais! O projeto conta com o apoio da @revistacontinente e da @cepeeditora, que terá a cartilha anexada na sua edição de dezembro! %u26A1 E nessa quinta, dia 06, às 19h vai rolar o lançamento físico uma roda de conversa lá no Apolo 235! %u2728 vai rolar distribuição gratuita! ação mais que necessária para a manutenção da nossa resistência e de nossos direitos! vamo simbora que esse projeto tá lindo demais, e dá um fôlego nesses tempos tão sombrios. aqui tá todo mundo que participou: @biameloart @biarritzzz @catarinadeejah @celsohartkopf @clara__moreira @linhasdefuga @clrasimas @eedduuarddo @doinferno @moraes_guilherme_ @hana_luzia @ianah_ @isabelastampanoni @amulherferida @joaolin @lauradpascoal @mariliafeldhues @mascarochristiano @mauricionunes00 @silvanomello.art @_priscilalins @assisraoni @raulluna.info @rauiss @rodrigo.gafa @roger_vieiraa @simone__mendes__ @thalesmolina @1outro #direitoshumanos70anos #direitoshumanos #humanrights pra acessar o documento completo: https://www.direitoshumanos70anos.com/

Uma publicação compartilhada por Joana Liberal (@liberajoana) em

 
O designer Eduardo Nóbrega, por sua vez, encarou a missão de transformar o Artigo 6 %u2013 que defende que Todo ser humano tem o direito de ser, em todos os lugares, reconhecido como pessoa perante a lei %u2013 em arte visual. "De início achei complicado. Todas as pesquisas que fiz antes puxavam para o símbolo de justiça, para balança", lembrou. "Decidi ir para o menos óbvio. Peguei coisas que nos unem como seres humanos. Olhos, mãos, digitais. Somos todos iguais, fisicamente também".
Visualizar esta foto no Instagram.

Declaração Universal dos Direitos Humanos %u2014 70 anos | Fui convidado pela galera do @mutiraorecife a ilustrar um dos 30 artigos da declaração, o artigo seis %u2014 %u201CTodo ser humano tem o direito de ser, em todos os lugares, reconhecido como pessoa perante a lei%u201D %u2014 Foi um processo de construção incrível junto a mais 29 artistas, que representaram cada artigo de forma inteligente e sensível. Muita gratidão a esse projeto! %u2014 Acessando www.direitoshumanos70anos.com da pra conferir e baixar todas as artes. Ah! e nessa quinta dia 06 tem distribuição gratuita de exemplares lá no Apolo 235, bairro do Recife, com o apoio da @revistacontinente #direitoshumanos #direitoshumanos70anos #humanrights #collage #colagem #papercollage

Uma publicação compartilhada por eduardo nóbrega (@eedduuarddo) em

 
Para os idealizadores e artistas, o projeto tem o objetivo de mostrar que a Declaração abraça a todos em um momento de polarização política ferrenha e ainda pode ser modificada para atender demandas atuais. "É importante mostrar para todo mundo que isso [a declaração] não é coisa de comunista. É para todo mundo, não é de direita ou de esquerda", comentou Raul Souza. "Muitos daqueles trinta artigos estavam desgastados também. Família já não é mais só homem e mulher. A carta estava empoeirada. Muito mais do que chamar atenção para ela, o projeto quer cutucar a ferida, pensar em atualizações". 

Além da exposição na galeria, as ilustrações irão tomar as ruas de Recife. Celso Filho diz que a ideia é realizar um "lambidaço" %u2013  distribuição de lambe-lambes pela cidade  %u2013 no próximo sábado (09).  "Estamos tendo bastante adesões, muitas pessoas nos ofereceram espaços para divulgarmos as artes. Por isso, o evento ainda está em aberto. Divulgaremos mais informações sobre horários e locais em nossas redes sociais".    

A rua como galeria 

"Um colaborativo dos artistas de recife que mistura artes gráficas e intervenções urbanas". É assim que o designer Celso Filho descreve o coletivo Mutirão, criado por ele e pelo ilustrador Raul Souza em 2016.  

"Tentávamos aprovar projetos no Funcultura para apoiar nossas ideias, mas não conseguíamos. Então pensamos: vamos sem dinheiro mesmo. Ajudamos artistas que também não tinham condições, quem quisesse participar era só chegar", explicou.  

O coletivo faz diversas manifestações artísticas pela cidade sem receber qualquer tipo de remuneração. Para realizar os "lambidaços", por exemplo, dividem o custo de impressão das peças entre os próprios artistas. "Pensamos que juntos faríamos mais que sozinhos e imaginamos as ruas de Recife como galerias" afirmou Raul.
 
Confira todas as obras acessando o site do projeto.

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.


Últimas