lançamento Livro sobre trajetória de Ivo Pitanguy é lançado no Recife A obra Ivo Pitanguy - Além do Bisturi: biografia de uma lenda, foi escrita pelo também cirurgião, Moisés Wolfenson

Publicado em: 20/11/2018 20:14 Atualizado em: 20/11/2018 20:17

O autor do livro, o também cirurgião plástico Moisés Wolfenson, teve uma convivência  de quase 20 anos com Pitanguy. Foto: Divulgação
O autor do livro, o também cirurgião plástico Moisés Wolfenson, teve uma convivência de quase 20 anos com Pitanguy. Foto: Divulgação

Nomeado pela New York Magazine como o rei da cirurgia plástica, cirurgião Ivo Pitanguy tornou-se referência para universidade pelo mundo inteiro. Retratando boa parte da trajetória do médico, a obra "Ivo Pitanguy - Além do Bisturi : biografia de uma lenda" será lançada nesta terça-feira (20) no Recife. O lançamento acontece a partir das 20h, na Academia Pernambucana de Letras, localizada na Av. Rui Barbosa, Nº 1596, no bairro das Graças. Com um currículo de mais de 10 mil atendimentos gratuitos por convênios internacionais, entre os cerca de 80 mil pacientes, faleceu em agosto de 2016, aos 90 anos de idade, e entrou pra história como o médico vanguardista capaz de reconstruir vidas.

O autor do livro, o também cirurgião plástico Moisés Wolfenson, teve uma convivência  de quase 20 anos com Pitanguy que transcendeu as questões da medicina. Com ele, discutiu mais do que técnicas de reconstrução de mama e de face. Abordou o mundo das artes e trocou conhecimentos traduzidos em importantes obras científicas. Ivo escreveu mais de 60 livros, incluindo os de coautoria, e mais de 100 prefácios, sendo três do próprio Wolfenson. Entre as principais contribuições literárias, destacam-se "Direito à Beleza", "Viver Vale a Pena", "Atlas de Cirurgia Palpebral", "Cirurgia Plástica - Uma Visão de sua Amplitude" e "Aesthetic Plastic Surgery of Head and Body"

Pitanguy ganhou notoriedade e se tornou referência em cirurgia reconstrutora, após tratar quase mil pessoas que sofreram graves ferimentos e queimaduras de terceiro grau, no incêndio do Gran Circus Norte Americano, em 1961, em Niterói (RJ). O médico trouxe 300 metros de pele artificial dos Estados Unidos para atender gratuitamente os pacientes. O pioneirismo do tratamento, o aperfeiçoamento de técnicas e o lado humanitário do médico se consolidaram em uma trajetória de sucesso admirada e implantada em centros cirúrgicos de vários países. 

"A biografia foi sua autorização em vida. Então, como havia escrito só um capítulo no livro anterior, dediquei todos os capítulos desse livro em uma homenagem aos feitos pessoais e profissionais do professor e amigo Pitanguy", ressalta Wolfenson.

Autoritário  e perfeccionista Ivo Pitanguy também é descrito no livro como um homem ético, de gestos nobres e além do seu tempo. “Um exemplo de médico bem sucedido. Que me perdoem os seus contemporâneos igualmente notáveis, mas Pitanguy sempre esteve um degrau acima no esplendor do sucesso” destaca o autor.

Amante da arte contemporânea e do modernismo, tendo sido Diretor do Museu de arte Moderna (RJ) por duas vezes, admirador e colecionador de  obras de artistas como: DiCavalcanti, Cicero Dias, Anita Mafaldi, entre outros,  o cirurgião plástico, é membro imortalizado da Academia Nacional de Medicina e da Academia Brasileira de Letras.



Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.


Últimas