Teatro Com Luana Piovani, comédia sobre disputa por herança é apresentada no Recife Thelmo Fernandes e Omar Menezes completam o elenco da peça Ele Ainda Está Aqui

Por: Emannuel Bento - Diario de Pernambuco

Publicado em: 26/10/2018 09:15 Atualizado em:

Texto inédito e direção são assinados por Silvio Guindane. Foto: Leonardo Zingano/Divulgação
Texto inédito e direção são assinados por Silvio Guindane. Foto: Leonardo Zingano/Divulgação

Discórdia na hora de discutir a herança após a morte do patriarca ou matriarca da família, até mesmo entre os parentes mais próximos, não é algo raro. Na peça teatral Ele ainda está aqui, protagonizada por Luana Piovani, Thelmo Fernandes e Omar Menezes, esse embate aparece de forma aguçada e com doses de humor. Nela, três irmãos se conhecem justamente no momento de separar o inventário. Além de estranhos um para o outro, existe a questão do choque cultural, apesar da mesma língua: Bárbara é brasileira, Miguel é português e Francisco é angolano.

Com texto inédito e direção assinados por Silvio Guindane, o espetáculo chega ao Teatro RioMar com apresentações hoje e amanhã, às 21h, após estrear no Brasil em setembro de 2018 com temporadas em outras capitais. Explorando esse caráter multicultural em países com o mesmo idioma, a peça também seguirá para Portugal, Angola, Cabo Verde, Moçambique, Guiné Bissau e São Tomé.

“A experiência está sendo ótima. Adoro o teatro e tenho muito orgulho dessa história que estamos contando”, diz Luana Piovani, em entrevista ao Viver. “O público vai se deparar com diversão e reflexão. Essa é uma característica do teatro: além de sentir prazer, você sai pensando sobre aquela história”, avalia.

Ao longo do enredo, vai se revelando que o que está em jogo vai além do dinheiro, com discussões e reflexões sobre família. Sentimentos, ambições, ausências e expectativas ganham o palco enquanto as cenas colocam os personagens em armadilhas da língua, causadas por contrastes nos dialetos entre um sul-americano, um europeu e um africano. “As pessoas não estão conseguindo enxergar o outro como irmão, então acaba sendo um intuito da peça de divertir e fazer essa reflexão sobre as relações humanas diante de diferenças”, finaliza Luana.
 


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.


Últimas