VISIBILIDADE Festival Sonora Olinda enaltece produção artística feminina Evento será realizado hoje e amanhã no casarão do Solar da Marquesa

Por: Viver/Diario - Diario de Pernambuco

Publicado em: 19/10/2018 07:44 Atualizado em:

'Mulher, solta a tua voz' é a frase que estará estampada nas blusas de toda a equipe. Foto: Ítalo Olímpio/Divulgação
'Mulher, solta a tua voz' é a frase que estará estampada nas blusas de toda a equipe. Foto: Ítalo Olímpio/Divulgação

Fomentar a inserção feminina na indústria da música é o principal mote do Sonora - Festival Internacional de Compositoras, que realiza sua segunda edição em Olinda (e a terceira em Pernambuco), hoje (19) e amanhã (20), com entradas a R$ 10, no casarão do Solar da Marquesa, no Varadouro. O festival, que já passou por Portugal, Irlanda, Espanha, Argentina e Uruguai, nasceu por iniciativa da musicista Deh Mussulini, que observou um grande número de compositoras sem os devidos reconhecimento e espaço no meio musical.

Pensando nisso, ela propagou a hashtag #mulherescriando e se juntou a outras criadoras de sua própria arte sonora para promover o festival. O Sonora abre as portas para que as artistas iniciantes e as já estabelecidas se apresentem e troquem experiências. Hoje, a partir das 18h, haverá a performance Trans(passar) com Sophia William, poesia com Odailta Alves e shows de Ylana, Camila Ribeiro, Concê, Gisely Batista, Brenda Bazante, Izza (MG) e Joanah Flor, que amanhã exibe o videoclipe da sua música Deixa ela.

A noite de encerramento, no sábado, contará ainda com apresentações de Ana Areias, Apoloniu, Maira e Moema Macêdo, Maíra Soares (RN), Rennà Costa, Juliana Zacarias, Encantaria, Patrícia Solis e a DJ residente Nadejda Maciel.

Três perguntas - Marah Rúbia // coordenadora

Quais as novidades desta edição do Sonora? 
É a segunda edição em Olinda e a terceira em Pernambuco. O diferencial foi incluir atividades extras, como rodas de diálogos e oficinas, em uma semana de evento. 

O portal Pitchfork fez uma pesquisa que indicou uma baixa escalação de mulheres como atrações principais de festivais. Os dados deste ano mostram que apenas 19% das atrações eram femininas. Qual a importância de festivais como o Sonora? 
Enaltecer a voz feminina, a mulher como um todo. Seja na voz, na composição, na interpretação, na técnica ou na produção. A loja Puta Peita nos patrocinou este ano com blusas para toda a equipe para grandes intervenções durante o festival e para mostrar exatamente isso: "Mulher, solta a tua voz". As mulheres juntas são mais fortes. Podemos, sim, realizar festivais, compor, criar. Somos capazes e nunca irão nos calar.

Como foi feita a escalação das participantes? 
A curadoria de Paloma Granjeiro e Letícia Arruda se baseou em quatro norteadores de avaliação: musicalidade (criatividade de arranjo vocal e instrumental), originalidade (valoração das ideias de criação), performance (interpretação) e apresentação (figurino e adereços).


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.


Últimas