Música Com homenagem a mestre da capoeira assassinado, Roger Waters chora e pede paz em show na Bahia 'Ele foi brutalmente assassinado durante o processo eleitoral e era um grande exemplo para todos nós em espalhar amor, humanidade e coragem', disse o artista

Por: Viver/Diario - Diario de Pernambuco

Publicado em: 18/10/2018 10:30 Atualizado em:

O mestre de capoeira assassinado com 12 facadas durante uma discussão política com um eleitor do presidenciável Jair Bolsonaro (PSL). Foto: Twitter/Reprodução
O mestre de capoeira assassinado com 12 facadas durante uma discussão política com um eleitor do presidenciável Jair Bolsonaro (PSL). Foto: Twitter/Reprodução

O ex-Pink Floyd Roger Waters, que vem causando polêmica em sua turnê pelo Brasil por conta de posições políticas, mostrou mais uma vez que está antenado no cenário do país. Durante um show em Salvador (BA) nesta quarta-feira (18), o músico prestou uma homenagem a Moa do Katendê, mestre de capoeira assassinado com 12 facadas durante uma discussão política com um eleitor do presidenciável Jair Bolsonaro (PSL).

"Eu quero apenas ter um momento para relembrar um dos seus. Esse é um grande artista local. Ele foi brutalmente assassinado durante o processo eleitoral e era um grande exemplo para todos nós em espalhar amor, humanidade e coragem", disse Waters, que postou o momento do show em seu Instagram. "Lembrem-se do mestre Moa. Obrigado por uma noite emocionante, Salvador".  A homenagem ao músico foi perto do encerramento do show, marcando um momento de emoção para o público e para o músico, que costuma dedicar o começo do bis para discursos mais emotivos. 

De acordo com informações do portal Uol, Roger Waters também manteve um dos pontos mais polêmicos do show no intervalo, exibindo o nome do candidato à presidência Jair Bolsonaro na lista de neofascistas que comandam ou podem comandar grandes nações - junto à mensagem "ponto de vista político censurado". A hashtag #EleNão, no entanto, não foi exibida no telão. Em outro momento de impacto, 12 crianças de projeto social subiram ao palco para cantar o clássico Another Brick in the Wall, Pt. 2, que se encerra com a palavra Resist.


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.


Últimas