Cultura Orquestra Sinfônica do Recife vira Patrimônio Cultural Imaterial O grupo musical de 88 anos foi fundado por Vicente Fittipaldi e conta com 85 músicos

Por: Viver/Diario - Diario de Pernambuco

Publicado em: 15/10/2018 13:33 Atualizado em:

O maestro Marlos Nobre é regente da Orquestra Sinfônica do Recife desde 2014. Foto: ARB/PCR
O maestro Marlos Nobre é regente da Orquestra Sinfônica do Recife desde 2014. Foto: ARB/PCR

A Orquestra Sinfônica do Recife agora é Patrimônio Cultural Imaterial da capital pernambucana. A Orquestra Sinfônica do Recife, a mais antiga em atividade ininterrupta do Brasil, celebrou, no último mês de julho, 88 anos de atuação dedicada à música erudita. O grupo musical foi fundado por Vicente Fittipaldi, seu primeiro regente, e conta com 85 músicos, entre primeiros violinos, segundos violinos, violas, violoncelos, contrabaixos, flautas, oboés, clarinetes, fagotes, trompas, trompetes, trombones, tubas e percussão. O grupo recebeu o título a partir da aprovação da Lei 18.519/2018, proposta pela vereadora Ana Lúcia (PRB), que foi publicada no Diário Oficial no último dia 9 de outubro. 

"Desde os meus 12 anos comecei a frequentar os concertos da Orquestra no Teatro de Santa Isabel e seguramente isto foi um dos fatores mais marcantes para que eu tomasse a decisão mais importante da minha vida: a de me dedicar inteiramente à composição. Trata-se, seguramente, de uma das melhores orquestras do país", afirma o maestro Marlos Nobre, celebrando a Orquestra, cuja história se confunde com a sua. O músico é regente da Orquestra Sinfônica do Recife desde 2014 e coleciona títulos e muitos anos de prestígio internacional. Aos 21 anos, ele ganhou seu primeiro prêmio como compositor no Concurso Música e Músicos do Brasil. Foi bolsista da Fundação Rockefeller, depois recebeu mais de 25 prêmios nacionais e internacionais, tem mais de 240 obras em praticamente todos os gêneros musicais. Em 2013, foi condecorado com a Medalha do Mérito Cultural do Brasil, no grau de comendador. 

Para formar jovens públicos para a música erudita, o maestro idealizou e a Prefeitura do Recife executa, o projeto Concertos para Juventude, mistura de aula e espetáculo, oferecida uma vez por mês para todas as idades de estudantes, no Teatro de Santa Isabel, sempre um dia antes do concerto oficial da Orquestra Sinfônica.

Acompanhado de todos os músicos da Orquestra, o maestro apresenta a sonoridade de cada instrumento, conversa sobre compositores e composições eruditas célebres, para despertar o interesse a sensibilidade dos jovens a respeito da música clássica. Os Concertos para Juventude são gratuitos, mas exigem inscrição prévia. A participação precisa ser agendada pelo telefone 3355-3323.


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.


Últimas