TV Mostra reúne o melhor da produção de screendance no Recife O evento, primeiro em Pernambuco a exibir mostras audiovisuais presenciais e pela internet, vai contar ainda com desfile de moda, oficinas, debates e performances

Por: Viver/Diario - Diario de Pernambuco

Publicado em: 09/10/2018 08:31 Atualizado em:

Bailarino e designer de moda André Aguiar é o idealizador do evento. Foto: Rayanne Morais/Divulgação
Bailarino e designer de moda André Aguiar é o idealizador do evento. Foto: Rayanne Morais/Divulgação

Inspirado nas pessoas que se guiavam através das estrelas para encontrar seu caminho, o Guiar - Festival Internacional de Videodança fará uma mostra competitiva de hoje a 13 de outubro no Cinema São Luiz e uma não competitiva entre 11 e 14 de outubro na Fundaj do Derby. O evento, primeiro em Pernambuco a exibir mostras audiovisuais presenciais e pela internet, vai contar ainda com desfile de moda, oficinas, debates e performances. As sessões terão audiodescrição, tradutores de Libras e legendas em português e inglês. 

Segundo o idealizador do evento, bailarino e designer de moda André Aguiar, artistas e profissionais da área passarão pelo local para servir como inspiração para as pessoas imaginarem direções para suas vidas. “A palavra screendance abraça todas as interações da dança na tela. O público vai poder assistir à interação de filmes, games e softwares inovadores de dança”, adianta. “Na dança você pode sentir como é inspirador a forma que o ser humano consegue fazer coisas incríveis consigo mesmo, aprender mais sobre arte, educação e saúde. Perceber belezas na diversidade de movimentos, valorizar o efêmero, as relações do corpo consigo, com o outro e o meio. Se inspirar com o que é indizível em palavras, tanto que você só saberá dançando”, explica. 

Nesta edição, o júri será composto ao todo por Anita Almeida, Guilherme Schulze, Nina Velloso, Cintia Lima, Thiago das Mercês e Marco Bonachela. Serão avaliadas obras de 40 diretoras, 47 diretores e dois coletivos vindos de 28 países. A exibição não competitiva contará com a Mostra Escolha Popular em que o público pode guiar a programação através das redes sociais. 

“É um momento muito inovador para história do audiovisual e da dança, porque apenas um dos curtas metragem foi exibido em tela cinematográfica em Pernambuco”, comenta André Aguiar. O festival prioriza exibir curtas porque apesar da interdisciplinaridade do audiovisual com a dança acontecer desde os primeiros experimentos de criação do cinema, ainda é rara a produção nacional de screendances em longa-metragem. 

Antes das sessões audiovisuais haverá as apresentações cênicas Wow, do grupo de dança da Eslováquia Debris Company; Entre passos e sombrinhas, do grupo de frevo Studio Viegas; Rito, de Januária Finizola; Zigoto, de Patrícia Pina Cruz; A parte de um todo, de Eric Valença e Ämämä mämäm, de André Aguiar.

“Por frequentar cinemas, notei que, até então, 90% da programação das salas comerciais são de filmes estrangeiros e a maioria das obras brasileiras são comédias românticas. Já no circuito de festivais de cinema, apesar de exibir obras experimentais, ainda é raro passar obras audiovisuais de screendance”, analisa André.


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.


Últimas