Cinema Diretor de A Freira relata experiência sobrenatural durante gravação do filme Corin Hardy diz ter visto e sentido presenças inexplicáveis em filmagem na Romênia

Por: Breno Pessoa

Publicado em: 04/09/2018 10:00 Atualizado em: 04/09/2018 12:51

A Noiva é o segundo longa do diretor, responsável por A maldição da floresta. de 2015. Crédito: Academy Films/Divulgação
A Noiva é o segundo longa do diretor, responsável por A maldição da floresta. de 2015. Crédito: Academy Films/Divulgação

Cidade do México - Fã de filmes de terror desde a infância, o diretor Corin Hardy realizou um sonho ao gravar o segundo longa-metragem da carreira naquele que é provavelmente o cenário mais famoso do gênero, a região da Transilvânia, na Romênia. O local, que serviu de inspiração para a criação do Drácula, foi escolhido como locação para A freira, novo filme da franquia Invocação do Mal, em cartaz nos cinemas a partir de quarta-feira. Apesar da empolgação em gravar por lá, o cenário também provocou arrepios no cineasta, que relata possível experiência sobrenatural.

"Eu estava em uma construção realmente antiga, uma fortaleza", recorda, sobre a gravação de uma das cenas, em um ambiente "profundo e sombrio, com um corredor de 60 metros". Em dado momento, o diretor entrou em uma das salas onde estavam seus monitores, viu, em uma área escura, duas pessoas que acreditou serem membros da equipe, e ficou atento acompanhando as telas. "Depois de meia hora, quando terminamos a gravação, notei que a sala estava vazia", acrescenta, dizendo que de onde estava, ninguém poderia sair sem ser visto. Hardy ressalta que, apesar de ter "sentindo a presença deles", torce para que a visão tenha sido resultado de algum fenômeno óptico.

O susto não afetou em nada o ânimo do cineasta ao conduzir o filme na terra natal do Drácula. "Meu Deus, estou na Transilvânia, fazendo um filme de horror, isso é perfeito", recorda o diretor sobre os pensamentos ao começar as filmagens de A freira na região, em 2017. "Foi um sonho realizado”, acrescenta Corin Hardy sobre filmar em um "cenário clássico". A paixão pelo terror é de longa data e ele fez as primeiras incursões pelo gênero aos 12 anos, dirigindo produções em Super-8, ao lado de amigos do colégio, em filmes que geralmente envolviam boas doses de violência, zumbis, lobisomens e outros monstros.

Ele comenta que não sentiu grande pressão ao produzir um filme do universo de Invocação do mal, a mais famosa franquia de terror da atualidade, mesmo tendo apenas um longa-metragem no currículo, o competente A maldição da floresta (2015). "Sim, sempre há pressão. Mas, se fosse algo com a qual eu não me sentisse confortável, certamente essa sensação seria mais forte. No entanto, foi algo que realmente me deixou empolgado, eu queria a contar essa história. E, também, eu estive muito ocupado e focado para sentir essa pressão", acrescenta.

"Foi uma experiência orgânica", a respeito de ser convidado para uma franquia que dele admira, idealizada por James Wan, um diretor que ele respeita. "Ele deu muito apoio, foi muito encorajador, para ir com meu instinto", diz.  

*O repórter viajou a convite da Warner Bros.

Confira o teaser de
A freira:


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.


Últimas