Teatro Grupo de teatro recifense pede ajuda para participar de festival no Rio de Janeiro O grupo São Gens de Teatro promove Ações Performáticas, onde a renda será revertida para custear a viagem

Por: Marina Simões - Diario de Pernambuco

Publicado em: 27/08/2018 17:30 Atualizado em: 27/08/2018 17:26

Grupo que viajar com a peça A podridão do que há em mim, sobre pessoas que sofreram traumas psicológicos. Foto: Daniel Melo/Divulgação
Grupo que viajar com a peça A podridão do que há em mim, sobre pessoas que sofreram traumas psicológicos. Foto: Daniel Melo/Divulgação

O grupo recifense São Gens de Teatro é daqueles que não desiste de uma causa. Eles foram selecionados para representar Pernambuco em festival no Rio de Janeiro e para arrecadar fundos para a viagem, a última cartada é a campanha que inclui uma noite de Ações Performáticas, nesta quarta-feira (29), às 20h, no Teatro Arraial.

"A gente quis fazendo essa sessão para conseguir o apoio. Não queremos desistir, vamos arriscar para conseguir o máximo possível e comprar pelo menos as passagens aéreas. A esperança é a última que morre", explica um dos integrantes do elenco, Halberys Morais. O São Gens foi a única companhia de teatro do Nordeste selecionada para o 2º Festival de Cultura Popular de Petrópolis, cidade turística do estado Rio de Janeiro. Eles vão levar o espetáculo premiado A podridão do que há em mim, que estreou em 2016, com sessão marcada para o sábado, 1 º de setembro, no Palácio de Cristal.

Para o evento Ações Performáticas, no Recife, eles contaram com a colaboração de vários amigos artistas e apoiadores. Vão participar da noite nomes como Carlos Amorim com o personagem Zefinha Paridera, Vanessa Sueidy com o monólogo Entertainer, Vicente Simas com o espetáculo O Cristo Rebuscado, Gilson de Paula com Black Negona, a Cia N.A.V.A apresenta Uma Dandara, Halberys Morais estrela Você tem amigos? e Valmir Jordão declama poesias. Os ingressos para o evento custam R$ 40 e R$ 20 (meia) e a renda será revertida para custear passagem, hospedagem e alimentação dos oito integrantes da equipe.  

Com direção e texto assinados por Anderson Leite, a peça A podridão do que há em mim aborda dramas de pessoas que sofreram traumas psicológicos. A partir daí, o enredo mostra os processos de solidão de cada e como eles escancaram suas mazelas internas. O elenco é formado pelos atores Cristiano Primo, Fagner Fênix, Ismael Holanda e Halberys Morais. A produção executiva é de Ana Patrícia Vaz Manso.


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.


Últimas