condenação Assassino de John Lennon tem pedido de liberdade condicional negado novamente Preso há quase 38 anos, Mark Chapman terá que esperar por mais dois anos para uma nova consideração

Por: Estado de Minas

Publicado em: 24/08/2018 15:25 Atualizado em: 24/08/2018 16:16

Chapman recebeu uma sentença de prisão perpétua, após ter se declarado culpado da acusação de assassinato em segundo grau. Foto: Reprodução/Internet
Chapman recebeu uma sentença de prisão perpétua, após ter se declarado culpado da acusação de assassinato em segundo grau. Foto: Reprodução/Internet

Mais uma vez, na verdade, é a décima. Mark David Chapman, o homem que matou John Lennon em dezembro de 1980 não conseguiu se libertar de uma sentença de prisão que pode mantê-lo atrás das grades pelo resto da vida. As informações foram dadas pelas autoridades prisionais de Nova York nesta quinta (23).

Segundo o Departamento de Correções e Supervisão Comunitária de Nova York., um conselho estadual negou liberdade condicional a Mark, que tem 63 anos, depois de uma audiência, e afirmou que ele terá que esperar mais dois anos por uma nova consideração do caso. 

"O painel determinou que a sua libertação seria incompatível com o bem-estar e a segurança da sociedade", disse em carta um painel de três membros do conselho estadual de liberdade condicional, segundo informações da Agência Reuters. Chapman - que era um fã obcecado de Lennon e dos Beatles -  foi condenado após atirar enquanto o músico chegava com a esposa, Yoko Ono, em seu apartamento na região do Upper West Side, em Manhattan, no dia 8 de dezembro de 1980.

Chapman recebeu uma sentença de prisão perpétua, após ter se declarado culpado da acusação de assassinato em segundo grau. Ele entra com pedido de liberdade condicional a cada dois anos desde 2000.



Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.


Últimas