• Compartilhar no Facebook Compartilhar no Twitter Compartilhar no Google Plus Enviar por whatsapp Enviar por e-mail Mais
literatura Obra de Guimarães Rosa é tema de conferência no Recife Evento será ministrado pelo acadêmico Paulo Gustavo

Por: Caio Ponciano

Publicado em: 16/04/2018 13:19 Atualizado em:

João Guimarães Rosa. Foto: Arquivo
João Guimarães Rosa. Foto: Arquivo


Em 1967, João Guimarães Rosa publicava aquele que seria o seu último livro. Tutaméia - Terceiras estórias reúne os contos mais curtos da obra do escritor, falecido meses depois do lançamento do exemplar. O sertão, o místico, o folclórico, o experimentalismo linguístico e o regionalismo social são alguns dos temas que atravessam a obra de Guimarães Rosa e se radicalizam em Tutaméia

É a partir da singular linguagem do autor, que será realizada nesta segunda-feira (16), às 15h, na Academia Pernambucana de Letras (Av. Rui Barbosa, 1596, Graças, Recife), a conferência Guimarães Rosa: a língua em transe. Proferido pelo acadêmico Paulo Gustavo, o evento será aberto ao público com entrada gratuita. "O principal tema da palestra é sobre como a linguagem de Guimarães o torna diferente de outros escritores e o mais original da literatura brasileira. Vou mostrar a revolução linguística dele e os motivos de ele ter feito isso", conta Paulo.

Para o professor, o nível de dificuldade dos textos do autor, tanto poderiam aproximar como afastar os leitores. "Algumas pessoas já chegaram a dizer que ler Guimarães é o mesmo que ler um idioma desconhecido. Isso fascina e incomoda na mesma intensidade", conta. Ele acrescenta que alguns escritores consagrados já chegaram a revelar que não gostam de ler os textos do mineiro que foi também diplomata, novelista, contista e médico.

Na conferência, Paulo Gustavo vai apresentar ainda contos que Guimarães escrevia para a uma revista médica, na qual ele alternava com o poeta Carlos Drummond de Andrade. "Vou ler e interpretar esses contos mostrando como tudo isso redunda em uma percepção diferente do mundo real, como se fosse uma língua portuguesa manipulada", finaliza.


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.


Últimas