• Compartilhar no Facebook Compartilhar no Twitter Compartilhar no Google Plus Enviar por whatsapp Enviar por e-mail Mais
Televisão Augusto Nunes deixará o Roda Viva após entrevistar Sérgio Moro A entrevista 'de despedida' do apresentador irá ao ar no dia 26 de março

Por: Agência Estado

Publicado em: 13/03/2018 14:58 Atualizado em:

Augusto esteve na estreia do Roda Viva na TV, em 1986. Foto: TV Cultura/Reprodução
Augusto esteve na estreia do Roda Viva na TV, em 1986. Foto: TV Cultura/Reprodução


O apresentador Augusto Nunes anunciou que não estará mais à frente do Roda viva, da TV Cultura, após mediar uma entrevista com o juiz Sérgio Moro, que irá ao ar em 26 de março. O anúncio foi feito no blog que o próprio jornalista possui no site da Veja. Augusto relatou que participou de cerca de 500 entrevistas ao longo de sua trajetória. "Em meados de 1987, tornei-me o segundo apresentador do programa, que comandei por dois anos e alguns meses. Voltei em agosto de 2013 ao posto que deixarei de ocupar neste 31 de março", disse.

Siga o Viver no Instagram

Curiosamente, Augusto estava presente na estreia do Roda viva na TV, em 1986, mas não como apresentador. Era um dos jornalistas convidados a fazer perguntas ao então ministro da Justiça, Paulo Brossard. Em 1971, o jornalista ingressou nos Diários Associados como revisor de textos e logo depois foi contratado como repórter no jornal O Estado de S. Paulo. Augusto Nunes foi também diretor de redação nas revistas Veja, Época e na edição brasileira da Forbes.

Quer receber notícias sobre cultura via WhatsApp? Mande uma mensagem com seu nome para (81) 99113-8273 e se cadastre 

O Roda viva é o programa de entrevistas que está há mais tempo no ar, na televisão brasileira. A cada semana, o apresentador recebe convidados das mais diversas áreas de atuação que, de alguma forma, sejam considerados de relevância para o público. O programa está no ar desde 1986 e é exibido no horário nobre de segunda-feira, na TV Cultura.

Confira o texto na íntegra:

"Em 29 de setembro de 1986, eu estava no grupo de entrevistadores de Paulo Brossard, então ministro da Justiça, na estreia do Roda viva, com a moderação de Rodolfo Gamberini. Em meados de 1987, tornei-me o segundo apresentador do programa, que comandei por dois anos e alguns meses. Voltei em agosto de 2013 ao posto que deixarei de ocupar neste 31 de março. Tudo somado, ao longo de oito anos conduzi perto de 500 entrevistas e debates. Incluídas as participações como entrevistador fixo do Roda viva apresentado em 2010 por Marília Gabriela, ou como integrante da bancada de convidados, talvez tenha passado mil e uma noites de segunda-feira no estúdio da TV Cultura. Esses números superlativos me autorizam a despedir-me com orgulho do mais longevo e respeitado programa de entrevistas da TV brasileira.

No primeiro ciclo como apresentador, fiz o possível para consolidar um Roda viva ainda na infância. No segundo, procurei utilizar o prestígio do programa para tornar o Brasil menos primitivo e mais democrático. Creio que ambas as missões foram cumpridas. Além da coluna neste site e dos programas na Jovem Pan, há outras aventuras à minha espera. É hora de vivê-las, sempre intensamente. A segunda missão ficaria incompleta se eu não conseguisse trazer para o Roda viva um personagem ainda ausente da galeria de protagonistas da história do Brasil que enriqueceram o acervo do programa nascido há quase 32 anos.

Na noite de 26 de março, estará no centro da roda o juiz Sergio Moro, em sua primeira entrevista ao vivo concedida a uma emissora de TV. O magistrado que simboliza a Operação Lava Jato vai conversar durante 90 minutos com cinco jornalistas do primeiríssimo time. Milhões de telespectadores testemunharão um depoimento que o Brasil inteiro aguarda com ansiedade há pelo menos três anos. Para mim, não poderia haver despedida mais honrosa."


Acompanhe o Viver no Facebook: 



Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.



Últimas