• Compartilhar no Facebook Compartilhar no Twitter Compartilhar no Google Plus Enviar por whatsapp Enviar por e-mail Mais
Música Pernambucana faz versão feminista de Mulheres, de Martinho: 'Cabeça e equilibradas' Ao lado da carioca Silvia Duffrayer, Doralyce regravou a canção para celebrar o Dia Internacional das Mulheres

Por: Viver/Diario - Diario de Pernambuco

Publicado em: 08/03/2018 21:28 Atualizado em: 09/03/2018 00:59

Vídeo foi produzido por Beatriz Araujo Leite. Foto: YouTube/Reprodução
Vídeo foi produzido por Beatriz Araujo Leite. Foto: YouTube/Reprodução

A cantora pernambucana Doralyce, que atualmente vive no Rio de Janeiro, estava em uma roda de samba na praia do Leme quando sugeriu cantar Mulheres, de Martinho da Vila. "A letra é super machista", disparou uma das meninas presentes. O comentário fomentou na gravação de uma nova versão da música, desta vez com um conteúdo empoderador, ao lado de Silvia Duffrayer, vocalista do grupo Samba Que Elas Querem. "Comecei a escrever a letra e a Silvinha insistiu que gravássemos para lançar no Dia Internacional das Mulheres", explica. O resultado foi publicado no canal do Coletivo 22 no YouTube.


"Mulheres cabeça e desequilibradas / Mulheres confusas, de guerra e de paz" e "Procurei em todas as mulheres a felicidade / Mas eu não encontrei e fiquei na saudade" são alguns trechos da composição de Martinho. Doralyce conta que concorda com a amiga que apontou o machismo no clássico. "Acredito que ele nos desenha em um padrão que não somos. Estamos cansadas disso", desabafa a cantora. Nas vozes de Doralyce e Silvia, a canção passou a entoar a emancipação feminina: "Sou mulher, sou dona do meu corpo e da minha vontade / Fui eu que descobri prazer e liberdade".

Quer receber notícias sobre cultura via WhatsApp? Mande uma mensagem com seu nome para (81) 99113-8273 e se cadastre

A pernambucana, que foi atração do Festival Rec-Beat em 2018, acredita que conteúdos machistas perpassam diversos estilos musicais do país. "É uma realidade da música em geral, basta escutar as músicas que estão fazendo sucesso hoje". Para exemplificar, ela cita o funk Amar, amei, de MC Don Juan. "O cara diz: 'sai com 'tuas' amigas pra lá, cuidado pra ela não te dar perdido e vir aqui me dar'. Ele tenta nos colocar umas contras as outras. Diferente disso, nossa música fala que somos unidas", diz a artista. 

Assista ao vídeo:



Cantos da Revolução

Após a repercussão do clipe de Miss beleza universal no ano passado, Doralyce lançou Canto da revolução, seu primeiro disco autoral, que conta com oito faixas. Gravado no Rio de Janeiro, o álbum é uma realização do Coletivo 22, produtora da cantora. As músicas mesclam as origens indígenas e africanas da artista com influências da modernidade. Assim, ritmos como coco, afoxé, maracatu se encontram com funk e rap.

Ouça o disco na íntegra:




Para ouvir no Spotify, clique aqui.

Acompanhe o Viver no Facebook:



Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.



Últimas