• Compartilhar no Facebook Compartilhar no Twitter Compartilhar no Google Plus Enviar por whatsapp Enviar por e-mail Mais
Tradição Coco Raízes de Arcoverde lança financiamento coletivo para quitar aluguel atrasado da sede Grupo acumulou mais de um ano e meio de dívidas e busca apoio para se tornar autossustentável

Por: Breno Pessoa

Publicado em: 02/03/2018 20:05 Atualizado em: 03/03/2018 10:23

Músicos buscam também recursos para reformar a sede. Foto: Coco Raízes de Arcoverde/Divulgação
Músicos buscam também recursos para reformar a sede. Foto: Coco Raízes de Arcoverde/Divulgação
Prestes a completar 20 anos da data em que foi registrado, o grupo Coco Raízes de Arcoverde enfrenta uma situação delicada que ameaça suas atividades. Com um ano e meio do aluguel da sede em atraso, os músicos temem perder o espaço, utilizado como local de ensaios e de preservação da memória do conjunto, idealizado por Lula Calixto. Para quitar as dívidas, o grupo recorreu ao financiamento coletivo, com a meta de arrecadar R$ 30 mil.

Siga o Viver no Instagram

O valor seria utilizado para pagar os R$ 12 mil relativos a seis meses de aluguel do ano de 2016 e 12 meses de 2017. Outros R$ 4,5 mil são quitar seis meses das despesas de aluguel para 2018. O restante da verba acumulada teria como destino uma pequena reforma na sede (R$ 3,5 mil) para criação de um balcão de vendas para produtos do grupo, confecção de artigos (R$ 2 mil) como CDs, camisetas, copos, tamancos etc. Os outros R$ 8 mil têm como destino cursos de educação financeira, empreendedorismo e produção para integrantes do grupo, gastos com as recompensas oferecidas para os apoiadores do financiamento, taxa da plataforma Catarse e outros custos.

Quer receber notícias sobre cultura via WhatsApp? Mande uma mensagem com seu nome para (81) 99113-8273 e se cadastre

"Estamos precisando muito", afirma a tesoureira e vocalista do Coco Raízes de Arcoverde, Iran Calixto, em vídeo promocional feito para divulgar a campanha. "Nossa sede é importante, não podemos perder, é onde começamos nossa história", completa. Até o momento, já foram arrecadados R$ 11,7 mil.

Acompanhe o Viver no Facebook:




Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.



Últimas