• Compartilhar no Facebook Compartilhar no Twitter Compartilhar no Google Plus Enviar por whatsapp Enviar por e-mail Mais
História Livro resgata documentos históricos de Pernambuco imediatamente após a Revolução de 1817 Publicação, organizada por Evaldo Costa, Hildo Leal da Rosa e Débora Cavalcantes de Moura, é composta por material do Arquivo Público Estadual Jordão Emerenciano

Por: Viver/Diario - Diario de Pernambuco

Publicado em: 01/03/2018 17:10 Atualizado em: 01/03/2018 20:00

No material, é possível entrever a vida pós-revolução de 1817 e o tratamento dado aos revolucionários e a seus aliados. Crédito: Cepe/Divulgação
No material, é possível entrever a vida pós-revolução de 1817 e o tratamento dado aos revolucionários e a seus aliados. Crédito: Cepe/Divulgação

A experiência pernambucana de ser uma república independente de Portugal durante 75 dias foi intencionalmente apagada da história nacional e passou a ser relembrada com ênfase no ano passado, em seu bicentenário. Para que isso acontecesse, era necessário, para o lado vencedor, fazer sua versão da história prevalecer e isso pode ser percebido em documentos da época sob a guarda do Arquivo Público Estadual Jordão Emerenciano. Essa é a perspectiva adotada pelo livro Memorial do dia seguinte, a revolução de 1817 em documentos de época, organizada por Evaldo Costa, Hildo Leal da Rosa e Débora Cavalcantes de Moura, cujo lançamento acontece às 18h30, na sede do arquivo, na Rua do Imperador.

Quer receber notícias sobre cultura via WhatsApp? Mande uma mensagem com seu nome para (81) 99113-8273 e se cadastre

O trabalho de pesquisa começou em 2016, quando Evaldo era diretor da instituição. Na época, a equipe do Arquivo Público identificou, selecionou e digitalizou os manuscritos mais relevantes. Os pesquisadores Hildo Leal da Rosa e Débora Cavalcantes de Moura estiveram à frente da tarefa e, ao todo, 106 documentos raros foram catalogados. Os manuscritos, sejam eles correspondências, ordens régias, ordenanças e registros de editais, foram transcritos e reinterpretados para o português atual.

No material, é possível entrever a vida pós-revolução de 1817 e o tratamento dado aos revolucionários e a seus aliados. Cada reprodução de documento é acompanhado de um parágrafo introdutório. Na ocasião da abertura, o conteúdo original acessado pelos pesquisadores poderá ser visto pelo público. “Perpassando todo o conjunto, ressalta-se o esforço para a construção da narrativa dos vencedores, presente em expressões de desprezo e raiva contra os revolucionários, tão repetidas e tão concatenadas que se percebe, com nitidez, a força superior que move as mãos dos missivistas”, analisa Evaldo no texto de apresentação da obra, editada pela Companhia Editora de Pernambuco (Cepe).

O professor de História da Unicap Flávio José Gomes Cabral também escreveu um texto no qual detalha os eventos ocorridos no Estado durante e imediatamente após a Revolução Pernambucana. Como se pode perceber nos documentos, havia uma gama de interesses a defender: desde os pessoais, como um oficial que desejava se casar com a filha de um dos revolucionários e uma viúva pedindo pensão por ter seu marido morto em confronto com os opositores da Coroa até acertos contábeis e registros do que era feito com os revoltosos presos.

SERVIÇO
Lançamento do livro Memorial do dia seguinte, a revolução de 1817 em documentos de época
Quando: quinta-feira, às 18h30
Onde: Arquivo Público Estadual Jordão Emerenciano - Rua do Imperador, 371, Santo Antônio
Valor: R$ 40 (livro físico) e R$ 12 (e-book)
Informações: 3184-1125

Acompanhe o Viver no Facebook:



Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.


Últimas