• Compartilhar no Facebook Compartilhar no Twitter Compartilhar no Google Plus Enviar por whatsapp Enviar por e-mail Mais
TV Atriz Ana Beatriz Nogueira se emociona ao lembrar os sintomas de esclerose múltipla A artista contou que seguiu com sua rotina de trabalho habitual, sem que ninguém soubesse dos problemas que estava enfrentando

Por: Estado de Minas

Publicado em: 07/02/2018 22:04 Atualizado em:

Atriz participou do Encontro, na Globo. Foto: Globo/Reprodução
Atriz participou do Encontro, na Globo. Foto: Globo/Reprodução

Após revelar que sofre de esclerosa múltipla, a atriz Ana Beatriz Nogueira participou do Encontro desta quarta-feira (7) e falou sobre o momento em que percebeu os primeiros sintomas da doença, enquanto gravava a novela Caminho das índias (2009). Segundo a atriz, à época ela seguiu com sua rotina de trabalho habitual, sem que ninguém soubesse dos problemas que estava enfrentando. ''Eu tinha 42 anos e estava trabalhando demais, me divertindo muito'', afirmou. ''Eu tive o que eles chamam de surto, uma inflamação na bainha da mielina. Foram diplopias, quando você vê duplos''. 

Quer receber notícias sobre cultura via WhatsApp? Mande uma mensagem com seu nome para (81) 99113-8273 e se cadastre

A esclerose múltipla é uma doença que 'destrói' a cobertura protetora dos nervos - mielina -, dificultando a transmissão dos impulsos nervosos. ''O primeiro passou sozinho, no terceiro eu tive o diagnóstico'', contou a atriz.  "Eu tive um tempo para entender, mas eu gravei muito tempo vendo duplo, nem Glória Perez (autora da novela) sabia, nem meus colegas", revelou. 

Nove anos após o término da novela, Ana Beatriz contra que resolveu falar abertamente sobre o assunto porque, segundo ela, uma série de pessoas passam pela mesma situação e não sabem o que está, de fato, acontecendo. "Você pode ter uma doença e não estar doente'', comentou. ''Eu não sabia o que era, não sabia que existiam divisões, como era a progressão. Pela minha ignorância, eu sempre fui temerosa da ignorância alheia. Me tirando da ignorância, eu tiro muito gente comigo''. 
 
Para ela, a desinformação é o que pode ser mais prejudicial em relação à uma patologia. ''Isso faz com que a gente perca um papel, um trabalho. E isso faz mal, não a doença. Durou pouco tempo, mas eu levei numa boa, achei que era efeito colateral'', contou.  ''Me sinto privilegiada de ter uma doença na forma branda. Eu digo isso porque um diretor pode pensar que eu não daria conta de um papel tão grande'', ponderou. ''É possível viver bem e com qualidade com esclerose múltipla'', finalizou.  

Acompanhe o Viver no Facebook:



Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.


Últimas