• Compartilhar no Facebook Compartilhar no Twitter Compartilhar no Google Plus Enviar por whatsapp Enviar por e-mail Mais
Música Pernambucano Juvenil Silva promete nudes a quem ajudar a bancar lançamento de disco Músico quer produzir Suspenso, terceiro álbum da carreira, com ajuda de financiamento coletivo

Por: Viver/Diario - Diario de Pernambuco

Publicado em: 07/02/2018 11:42 Atualizado em: 07/02/2018 11:50

'Vale tudo pra atingir essa danada dessa meta e conseguir lançar Suspenso', disse ele. Foto: Instagram/Reprodução
'Vale tudo pra atingir essa danada dessa meta e conseguir lançar Suspenso', disse ele. Foto: Instagram/Reprodução

O cantor Juvenil Silva vai distribuir nudes aos que colaborarem com o projeto de financiamento coletivo encabeçado por ele para a produção do disco Suspenso. No ar desde o início de dezembro do ano passado, a campanha levantou R$ 7,5 mil, isto, é 94% da meta de R$ 8 mil estabelecida. Para alavancar o número de contribuições até o próximo sábado (10), último dia possível para receber doações, o músico pernambucano resolveu apostar nas fotos sem roupa. 

Quer receber notícias sobre cultura via WhatsApp? Mande uma mensagem com seu nome para (81) 99113-8273 e se cadastre 

"Eu disse que nessa última semana ia alterar! Vale tudo pra atingir essa danada dessa meta e conseguir lançar Suspenso. Tá aí, nova recompensa no ar", anunciou Juvenil, por meio do Instagram. Quem contribuir com valores a partir de R$ 69, receberá cinco fotos do cantor nu, impressas e com "escritos coracionais" no verso. Outras recompensas, para valores maiores ou menores, também estão disponíveis, como edições impressas do disco, cartazes, camisas, links para ouvir online antecipadamente e até a contratação de um show. 

Suspenso será o terceiro CD da carreira de Juvenil, que também já lançou Desapego (2013) e Super qualquer no meio de lugar nenhum (2014). No disco, pretende incorporar ao que chama de vanguarda paulista ritmos locais, como o brega, e latinidades. "Podemos dizer que é um disco de canções de amor? Sim, podemos. Mas não o amor engessado, perpetuado e transmitido pela sociedade, pela TV, pela família ou pela burrice. É o amor em outra realidade, por vezes omitida, pouco abordada, e até mesmo má interpretada. Amor primo, sem muita preocupação de ser compreendido e, sim, vivenciado. Fruto dos instintos mais ancestrais", questiona ele na apresentação do projeto. 

Confira o projeto:


Acompanhe o Viver no Facebook: 



Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.


Últimas