• Compartilhar no Facebook Compartilhar no Twitter Compartilhar no Google Plus Enviar por whatsapp Enviar por e-mail Mais
CARNAVAL 2018 Ritmos de Carnaval: Conheça os maracatus com a Nação Aurora Africana A diferença entre os baques está, inicialmente, ligada à religiosidade

Por: Samuel Calado

Publicado em: 06/02/2018 20:20 Atualizado em: 06/02/2018 20:48

Foto: Reprodução/Facebook
Foto: Reprodução/Facebook
Resistir ao preconceito e à intolerância religiosa. Esse é o objetivo das nações de maracatu de Pernambuco. Nessa segunda, O Diario foi até o centro do município de Jaboatão dos Guararapes, na Região Metropolitana do Recife, para conversar com a Nação Aurora Africana e conhecer mais sobre a história do ritmo reconhecido pelo Iphan como Patrimônio Imaterial Cultural do Brasil. 
 
Quer receber notícias sobre cultura via WhatsApp? Mande uma mensagem com seu nome para (81) 99113-8273 e se cadastre 

Origem

O Maracatu Nação tem suas origens entre os séculos XVII e XVIII nas celebrações de coroação dos reis do Congo. A primeira nação registrada em Pernambuco é a Nação Elefante, fundada no século XVIII, em Olinda. O presidente da Associação de Maracatu Nação de Pernambuco (Amanpe) e da Nação Aurora Africana, Fábio Sotero, conta que, atualmente, existem 29 nações filiadas, mas só 25 estão em plena atividade. 
 
Baques
 
A diferença entre os baques de maracatu está, inicialmente, ligada à religiosidade. Enquanto o baque virado ou nação cultua o Candomblé, o de baque solto reverencia a Jurema Sagrada e seus encantados. Outra diferença pode ser vista  na personagem do caboclo de lança, ícone da cultura pernambucana presente apenas no baque solto. 

Desvendando o baque  

O mestre do apito Danillo Mendes explica que esta diferença pode ser percebida também nos instrumentos que são utilizados nos toques. "Enquanto o virado utiliza apenas elementos da percussão, como a alfaia, o caixa, o abê, o gonguê; o solto inclui outros instrumentos, como por exemplo os de sopro, ao som do maracatu". Eles são harmonizados nos toques Arrasto, Malê, Martelo e Luanda. 

Dança

A rainha do Aurora, Geiza Brasil, conta que o passo-base do ritmo é baseado nas danças tradicionais africanas. "Nos movimentos, a gente executa passos que representam força. Ombros, braços e pernas são marcados pelo toque das alfaias". 

Personagens 

Todo personagem de maracatu tem uma história e um significado. No de Baque Virado, os principais são o rei, a rainha e a dama do passo (responsável por carregar o calunga). Outro personagem importante é o Caboclo Arreia-mar. O bailarino Robson Abóbora relata que a inclusão desse personagem se deu em homenagem do povo negro aos indígenas. "Os índios são os conhecedores da terra. Muitos deles ajudavam nas fugas dos negros escravizados. No desfile, o caboclo faz os passos perré, baião e guerra". 

Foto: Reprodução/Facebook
Foto: Reprodução/Facebook

Nação Aurora Africana 

O Maracatu Nação Aurora Africana foi fundado em 8 de Agosto de 2001, no município de Jaboatão dos Guararapes, Região Metropolitana do Recife. O grupo é o primeiro maracatu nação da cidade. 

Em 2005, eles perderam 99% dos figurinos e instrumentos na pior enchente registrada na cidade. Mesmo diante do fato, continuou desfilando e hoje conta com mais de 400 pessoas no cortejo. 


Agenda: 

08/02 - Tumaraca - Encontro de Nações, Marco Zero do Recife, 18h

11/02 - Concurso de agremiações carnavalescas, 22h

12/02 - Pátio de São Pedro, às 18h

12/02 - Pátio do Terço, Noite dos Tambores Silenciosos, 23h
 
 
Confira o vídeo da reportagem completa no Facebook: 
 
 
Acompanhe o Viver no Facebook: 



Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.


Últimas