• Compartilhar no Facebook Compartilhar no Twitter Compartilhar no Google Plus Enviar por whatsapp Enviar por e-mail Mais
Luto Rei da Guitarrada, Mestre Vieira morre aos 83 anos Gaby Amarantos, Lia Sophia, Felipe Cordeiro e outros artistas lamentaram o falecimento

Por: Viver/Diario - Diario de Pernambuco

Publicado em: 02/02/2018 17:51 Atualizado em:

Artista se apresentou no festival Rec-Beat em 2013. Foto: Camila Lima/Rec-Beat
Artista se apresentou no festival Rec-Beat em 2013. Foto: Camila Lima/Rec-Beat

O paraense Mestre Vieira, conhecido como o Rei da Guitarrada, faleceu nesta sexta-feira, em Bacarena (PA), aos 83 anos. Joaquim de Lima Vieira é um dos ícones da música do estado do Norte e considerado o criador do gênero musical guitarrada, marcado pelos toques de guitarra, que mistura lambada, carimbó, cumbia e merengue.

Quer receber notícias sobre cultura via WhatsApp? Mande uma mensagem com seu nome para (81) 99113-8273 e se cadastre

O artista lutava contra um câncer, iniciado na próstata e descoberto em 2016. A morte dele foi lamentada pela prefeitura de Bacarena, na Região Metropolitana de Belém, onde foi decretado luto oficial de três dias. Joaquim ficou conhecido após o lançamento do álbum Lambada das quebradas, na década de 1970, no qual mesclou os ritmos brasileiros aos caribenhos. A trajetória dele tem mais de 20 álbuns.

Discípulos do artista, como Gaby Amarantos, Lia Sophia e Felipe Cordeiro, lamentaram o falecimento nas redes sociais. "MESTRE VIEIRA. Obrigada por tudo e sempre vamos lembrar do senhor pela sua alegria, piadas, mansidão e música. VIVA O REI DA GUITARRADA!", escreveu ela, que é uma das atrações anunciadas do carnaval do Recife, no sábado, mesmo dia em que sobem ao palco Marrom Brasileiro, Fafá de Belém, Lenine e Paralamas do Sucesso.

"Mestre Vieira se foi. Para além da saudade, fica o seu legado artístico e humano da maior importância. Conheci o mestre na extinta casa de shows Xodó em Belém nos anos 90, era uma noite dedicada aos filhos de Barcarena. Meu tio Barata me apresentou pra ele, estava com meus 14 anos. Naquela época Vieira vivia um certo ostracismo até a realização do projeto Mestres da Guitarrada já nos anos 2000, quando então sua linguagem foi revigorada. Tive poucos e bons momentos ao lado do mestre, regado a piadas de gosto duvidoso e que gostava de ouvir exatamente por isso. Espontâneo, criativo e original o mestre certamente seguirá inspirando. Um forte abraço em todos seus filhos e parentes, não fiquem tristes, fiquem orgulhosos!", homenageou Felipe Cordeiro.

Acompanhe o Viver no Facebook:





Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.



Últimas