• Compartilhar no Facebook Compartilhar no Twitter Compartilhar no Google Plus Enviar por whatsapp Enviar por e-mail Mais
Música Naná Vasconcelos: cinco vídeos para entender a genialidade do músico, morto aos 71 anos Percussionista não resistiu a complicações de câncer no pulmão e faleceu na manhã desta quarta (9)

Por: Viver/Diario - Diario de Pernambuco

Publicado em: 09/03/2016 11:20 Atualizado em: 09/03/2016 11:48


Naná Vasconcelos comandou por anos a abertura dos carnavais do Recife com cortejo de maracatus. Foto: Rafael Martins/DP
Naná Vasconcelos comandou por anos a abertura dos carnavais do Recife com cortejo de maracatus. Foto: Rafael Martins/DP

O percussionista pernambucano Naná Vasconcelos, falecido na manhã desta quarta-feira (9), aos 71 anos, era considerado um dos músicos mais importantes do país. Autodidata, inovou ao tirar diferentes sonoridades de instrumentos de percussão, sua especialidade. Se destacou desde o início da carreira, quando tocou bateria para Milton Nascimento, até a fama internacional, que rendeu parcerias com Pat Metheny e artistas de jazz e world music, como Don Cherry, Egberto Gismonti e Itamar Assumpção.

Música em luto: morre o percussionista pernambucano Naná Vasconcelos

Aclamado com oito prêmios Grammy, o percussionista costumava quebrar protocolos e substituía, sempre que permitido nas cerimônias, os discursos por apresentações musicais.

Naná, que aos 12 anos tocava profissionalmente em bares e clubes noturnos (onde lhe exigiam até autorização judicial), ao lado do pai, aprendeu a tocar sozinho, usando os penicos e as panelas de casa, ainda na infância. Não frequentou aulas de música, não ingressou na faculdade. Em entrevista concedida ao Viver, ele afirmou: "Quando você aprende teoria musical por livros, precisa sempre consultar os textos. Quando você aprende com o corpo, é como andar de bicicleta. Seu corpo se lembra."

Emicida, China, Gilberto Gil e as homenagens a Naná Vasconcelos na internet

Africadeus, ao vivo em Roma - 1983

Neste vídeo, Naná interpreta a faixa que dá título ao álbum de 1973, tido como um dos mais importantes da discografia. No clipe, Naná toca apenas um berimbau, mas consegue tirar as diferentes sonoridades que fizeram sua fama.



Festival de jazz de Montreux - 2000

Em 2000, o percussionista integrou o line up do prestigiado festival, realizado na Suíça. Ao longo de várias décadas, Montreux já recebeu outros artistas pernambucanos como Ivinho e Chico Science & Nação Zumbi.



Ao vivo na TV italiana com Don Cherry - 1976

Neste vídeo, um jovem Naná Vasconcelos, então com 32 anos, como integrante da big band do jazzista Don Cherry (1936-1995). A sonoridade já se assemelha à mistura de jazz com as batidas africanas que serviriam de base para o jazz fusion dos anos 1980.



Ao vivo com o Pat Metheny Group - 1982

No início dos anos 1980, Naná fez parte do grupo do guitarrista Pat Metheny, um dos maiores expoentes do jazz/rock. O grupo gravou o sucesso This is not America em 1985, que contou com participação de David Bowie.



Ao vivo no Showlivre - 2015

Há menos de um ano, Naná foi convidado para o Estúdio Showlivre, programa apresentado na web por Clemente, vocalista do Inocentes e Plebe Rude. Na ocasião, além de tocar, ele falou sobre o processo de composição do disco 4 elementos.



Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.


Últimas