BikePE Seis dicas para melhorar o convívio de motoristas e ciclistas no trânsito

Publicado em: 16/12/2014 13:57 Atualizado em: 16/12/2014 14:12

Respeito às leis de trânsito é o primeiro passo para uma convivência tranquila entre motoristas e ciclistas. Guilherme Verissimo/Esp DP/DA Press
Respeito às leis de trânsito é o primeiro passo para uma convivência tranquila entre motoristas e ciclistas. Guilherme Verissimo/Esp DP/DA Press

Nos últimos anos, iniciativas como o BikePE (estações de bicicletas disponíveis para aluguel) e a ciclofaixa móvel (que funciona aos domingos e feriados) incentivaram o crescimento de ciclistas na Região Metropolitana do Recife. O fenômeno altera as formas de convívio no trânsito que a população, em especial os motoristas de automóveis, sempre esteve acostumada.

Segundo o Código Brasileiro de Trânsito (CTB), as bicicletas, por sua maior exposição a acidentes, têm preferência diante dos carros. Caso seja constatado que o veículo ameaçou a segurança de ciclistas ou pedestres, o motorista pode ser enquadrado no artigo 170 e terá, além da multa de R$ 191,54, o veículo retido e a suspensão da Carteira Nacional de Habilitação (CNH).

Um dos coordenadores da Associação Metropolitana de Ciclistas do Grande Recife, a Ameciclo, Thomás Thobias pontua seis dicas de convívio dos motoristas com os ciclistas:

1. Respeitar a distância mínima de 1,5 metro entre o carro e o guidom, prevista no CTB. “Todo dia passamos pelo 'fino'. Muitos carros chegam a passar a uns 20cm de nós”, alerta Thomás.

2. Não ultrapassar em alta velocidade, nem acelerar o carro tendo uma bicicleta em sua dianteira.

3. Não usar buzinas. “Nós percebemos a presença do veículo pelo som do motor, a buzina só pressiona o ciclista”, diz Thomás.

4. Ao dobrar em alguma rua, desacelerar ou frear o carro se algum ciclista estiver cruzando-a.

5. Sempre ter cuidado e muita atenção ao retrovisor em atividades como mudar de faixa, sair do estacionamento e abrir a porta do carro.

6. Nunca esquecer de ligar a seta. “Todos os presentes no trânsito precisam sinalizar as intenções sempre”, lembra.

Todas essas dicas evitam situações de perigo tanto para o ciclista como para o motorista. Os que usam as bicicletas, por sua situação vulnerável, vivem estas tensões no cotidiano. “Ficamos espremidos no canto da rua, a sensação para quem usa bicicleta é de risco iminente”,  lamenta Thomás Thobias.

* Por Rafael Mello, especial para o Pernambuco.com

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.



Últimas