Bike PE As vantagens e desvantagens da bicicleta dobrável Mais cara que uma bicicleta normal, a dobrável ganha em quesitos como praticidade

Por: Carolina Braga

Publicado em: 30/06/2014 12:15 Atualizado em: 01/07/2014 10:22

O ciclista Enio Paipa usa uma bicicleta dobrável até para percorrer longas distâncias. Foto: Alex Ribeiro/Divulgação
O ciclista Enio Paipa usa uma bicicleta dobrável até para percorrer longas distâncias. Foto: Alex Ribeiro/Divulgação

Fácil de carregar, guardar e adequada para ambientes urbanos. Estas são as características principais de uma bike dobrável. O ciclista Enio Paipa utiliza a bike como meio de transporte diariamente e “super recomenda o uso da dobrável”, como ele mesmo diz. Instrutor do Bike Anjo, há mais de um ano o projeto recebeu duas bicicletas dobráveis doadas da Caloi para o projeto. Desde então, Paipa começou a experimentá-la.

“Foi a bicicleta dobrável que me encontrou. Ela não deixa nada a desejar das outras bikes. Apesar de ser indicada apenas para distâncias pequenas, eu a utilizo para grandes percursos e nunca tive problemas”, conta, exemplificando que o trajeto em uma distância do bairro de Boa Viagem, na Zona Sul do Recife, até o bairro do Janga, em Paulista, aproximadamente 25 km, foi realizado tranquilamente.

O ciclista alerta também para a facilidade da integração com os veículos públicos. “Eu ando de ônibus e metrô segurando ela. É mais fácil porque você pode ir até o ponto pedalando, pegar o ônibus e depois chegar até o destino também na bike.” É uma ajuda também para quem costuma pegar caronas que não chegam tão perto do destino, já que é portátil.

Assim como todas as bicicletas, há dobráveis de boa e de má qualidade. Então quando você for comprar a sua é importante pesquisar antes. Os preços variam de R$ 600 a R$ 2 mil. Mas cuidado porque os modelos mais baratos podem deixar a desejar. É interessante questionar que é comum se pagar mais de R$ 30 mil em uma moto ou em um carro, e porque é caro demais pagar R$ 3 mil em um veículo não motorizado, que também oferece segurança e conforto?

A maioria das dobráveis é aro 20”, ou seja, tem um pneu pequeno. “Este visual diferente, aliado a falta da cultura do recifense na intermodalidade nos transporte e o alto preço das dobráveis, podem ser um fator para a venda ainda estar tímida”, afirma o proprietário da loja Bike.com, Flávio Lopes de Souza.

Na loja, desde que se iniciou a oferta das dobráveis, as vendas foram menores do que Flávio esperava. Lá são vendidas apenas as Caloi Urbe, que custam por volta de R$ 1.800. Outras marcas de dobráveis recomendadas pelos ciclistas são as Dahon, Durban e Tern Link.

Com esta praticidade na portabilidade, a intermodalidade fica mais fácil de ser praticada e a assim, a mobilidade urbana da cidade ficaria menos travada. Mas porque a intermodalidade ainda é pouco realizada no Recife? Aliada a falta de incentivo na criação de espaços adequados para a portabilidade de veículos como a bicicleta no ônibus e no metrô, por exemplo, também falta a experimentação das pessoas em se locomoverem de forma mais independente.



Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.


Últimas