• Compartilhar no Facebook Compartilhar no Twitter Compartilhar no Google Plus Enviar por whatsapp Enviar por e-mail Mais
Escolhas Bicicletas de alto custo ganham espaço no Recife Ciclistas gastam mais dinheiro em bicicletas melhores pelo conforto e performance. Fora do país, um mercado de luxo é crescente

Publicado em: 31/07/2013 10:03 Atualizado em: 31/07/2013 10:50

Mariana conheceu a loja responsável pela importação no Brasil e depois recebeu a bicicleta desmontada em casa. Foto: Cristiane Silva/Esp.DP/D.A Press
Mariana conheceu a loja responsável pela importação no Brasil e depois recebeu a bicicleta desmontada em casa. Foto: Cristiane Silva/Esp.DP/D.A Press
Na hora de escolher a bicicleta não faltam opções. Da personalização completa às bicicletas vendidas prontas em lojas especializadas ou grandes mercados, a qualidade dos acessórios e a variedade de preços são fatores que definem com qual modelo o comprador sairá. Aos que possuem mais dinheiro disponível para o investimento, mais alternativas são oferecidas. Seja pela performance, estética ou conforto, bicicletas “diferentes” são cada vez mais procuradas pelos ciclistas e vistas pelas ruas do Recife. Fora do país, um mercado de luxo de custo altíssimo busca atrair ciclistas afortunados a partir da oferta de produtos exclusivos.

A bicicleta de Mariana Oliveira veio por encomenda. Ela, arquiteta e especialista em mobilidade urbana, procurava um modelo confortável e bonito para trajetos dentro da cidade. Descobriu tipos de bici que a agradavam durante um período em que morou na Holanda. “Eu queria uma bicicleta como as que eu vi em Amsterdam, mas era difícil encontrar por aqui.Comecei a pesquisar e a procurar na internet e a que escolhi foi a única acessível do modelo que eu queria”. Ela optou por uma bicicleta Nirve, empresa californiana conhecida por sua produção artesanal e design inovador. “Ela tem um estilo mais retrô, paralama longo, três marchas, freio contrapedal. É uma bicicleta leve e também é cheia dos detalhes que adorei, como as flores pintas pelo quadro e até o pneu, que tem um padrão em relevo que deixa flores se eu passar por areia, por exemplo”.

Para realizar a encomenda, Mariana conheceu a loja responsável pela importação no Brasil e depois recebeu a bicicleta desmontada em casa. Hoje a arquiteta utiliza a bicicleta em momentos de lazer e para distâncias curtas, mas pretende, aos poucos, começar a integrar ainda mais o veículo ao seu cotidiano. “Ainda não tenho muita coragem, mas quero. Por enquanto tenho usado muito a Ciclofaixa de Lazer e sempre que paro em algum local as pessoas vêm me perguntar onde encontrei a bicicleta, que tipo de bicicleta é. Pra mim valeu muito a pena o investimento”. O conforto e a estética foram essenciais na compra de Mariana. Para ciclistas que realizam trilhas, corridas e viagens longes de bicicleta, a perfomance é o detalhe mais procurado.

“As pessoas que procuram bicicletas mais caras pela performance são geralmente aquelas que já pedalam há muito tempo. Não é muito o perfil do ciclista iniciante investir tanto dinheiro numa bike, até porque é com a prática e o tempo pedalando que ele sabe melhor o que procura e o que realmente precisa numa bicicleta”, explica Amanda Santos, gerente da loja Styllus Bike, localizada no Pina, zona sul do Recife. Ela descreve que os adeptos do pedal ficam mais seletivos com a experiência e passam a buscar materiais melhores. “As bicicletas mais caras são diferenciadas. Geralmente as pessoas que compram querem fazer trilhas ou são profissionais. Aqui na loja, bicicletas urbanas podem chegar a dois mil e trezentos, enquanto uma bicicleta de trilha ou de estrada pode chegar a custar 25 mil reais”. Entre os motivos para o preço, quadros e garfos de materiais como carbono, geometria incomum e detalhes como freio a disco hidráulico no lugar dos convencionais.

Nem todo mundo quer ou precisa das vantagens oferecidas pelas bicicletas mais caras. A bicicleta fixa, por exemplo, tem sido muito procurada por ciclistas de áreas urbanas por ser de fácil manutenção e suprir as necessidades da rotina nas cidades. Emanuel de Lima, proprietário da loja Recife Bike, situada no bairro de Santo Antônio, explica que as bicicletas consideradas “de luxo” não costumam ser vendidas com facilidade. “Dizem que em bairros nobres elas saem com mais frequência, mas aqui, deste tipo, registramos de três a quatro vendas por mês. Quase toda a venda mensal são de bicicletas de até mil reais”. Ele conta que as bicicletas mais caras da loja custam em torno de 9 mil reais e são vendidas para quem costuma fazer trilhas. “São as pessoas que vão pra passeios ciclísticos, onde muita gente tem bicicletas bem caras”.

Bicicletas exclusivas


Em países onde a cultura da bicicleta como transporte é mais forte, a facilidade para encontrar modelos variados aumenta. Existem bicicletas feitas para aficionados pelo veículo e por exclusividade. A bicicleta Gold Bike Crystal da companhia escandinava Aurumania é considerada um dos modelos mais caros do mundo. Com um preço de 80 mil euros (o que se traduz em cerca de 240 mil reais) e com meta de produção de apenas dez bicicletas numeradas, a Gold Bike Crystal atrai é feita artesanalmente, folheada com ouro 24 quilates e adornada com cristais Swaravoski. A vontade de exclusividade pelo consumo é notável nos detalhes deste produto – e a empresa informa que a primeira bicicleta a ser vendida foi usada como decoração na parede do seu comprador, e não como veículo para a cidade.

Bicicleta Gold Bike Crystal é revestida em ouro e adornada com cristais. Foto: Aurumania/Divulgação (Aurumania/Divulgação)
Bicicleta Gold Bike Crystal é revestida em ouro e adornada com cristais. Foto: Aurumania/Divulgação


Grifes também já desejaram imprimir sua marca no veículo sustentável. A Chanel criou a Vélo Chanel, limitada a 50 vendas, que possui detalhes inconfundíveis da marca, bolsa em couro matalassê, oito velocidades e dispositivo antirroubo, custando 9 mil euros. A Dolce e Gabbana imprimiu sua famosa estampa de padrão de leopardo na bicicleta de 2 mil dólares Anamalier, com detalhes em ouro 24 quilates. Já a Hermès, pioneira em pensar nas bicis como forma de propagação da marca, recentemente se uniu com a empresa Batavus e criou a bicicleta Quadrille Promenade, com manoplas e selim em couro clemènce e o prático selim e bagageiro. Todas as bicicletas das grifes são destinadas ao uso urbano.

TAGS:

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.



Últimas